[Resenha]: A Rainha Normanda – Patricia Bracewell (Emma da Normandia #1)

03 março 2016

Sinopse: Em 1002, Emma da Normandia, uma nobre de apenas 15 anos, atravessa o Mar Estreito para se casar. O homem destinado a ser seu marido é o poderoso rei da Inglaterra, Æthelred II, muito mais velho que ela e já pai de vários filhos. A primeira vez que ela o vê é à porta da catedral, no dia da cerimônia. Assim, de uma hora para outra, Emma se torna parte de uma corte traiçoeira, presa a um marido temperamental e bruto, que não confia nela. Além disso, está cercada de enteados que se ressentem de sua presença e é obrigada a lidar com uma rival muito envolvente que cobiça tanto seu marido quanto sua coroa. Determinada a vencer seus adversários, Emma forja alianças com pessoas influentes na corte e conquista a afeição do povo inglês. Mas o despertar de seu amor por um homem que não é seu marido e a iminente ameaça de uma invasão viking colocam em perigo sua posição como rainha e sua própria vida. Baseado em acontecimentos reais registrados na Crônica Anglo-saxã, A rainha normanda conduz o leitor por um período histórico fascinante e esquecido, no qual fantasmas vigiam os salões do poder, a mão de Deus está presente em cada ação e a morte é uma ameaça sempre à espreita.
Governando na época compreendida entre o rei Artur e a rainha Elisabeth I, a rainha Emma é uma heroína inesquecível cuja luta para encontrar seu lugar no mundo continua fascinante até hoje.


A Rainha Normanda é o primeiro de uma trilogia, que até então não teve o seu segundo livro (The Price of Blood) lançado no Brasil, que conta a história de uma jovem normanda de apenas 15 anos, chamada Emma, que é obrigada a se casar com o rei da Inglaterra, Æthelred II, tornando-se então a rainha da Inglaterra em meados dos anos 1000 d.C. O enredo é todo baseado nas Crônicas Anglo-Saxã e de uma intensa pesquisa da autora entre documentos, testamentos, sermões, leis, cartas e documentos da época. Apesar de poucos relatos expressivos da época, e em particular da vida da rainha Emma, há um manuscrito chamado Encomium Emmae Reginae que conta a vida desta. Porém, a narrativa tem seu inicio quando Emma possuía, aproximadamente, 30 anos, deixando de fora 15 anos de história do casamento entre ela e o rei Æthelred II. Esse fato foi o motivo pelo qual a autora se sentiu inspirada a escrever sobre a enigmática rainha. Logo, esse primeiro livro é, segundo Patricia, “o resultado dessa curiosidade”.

Uma foto publicada por Blog Trocando o Disco (@trocandodisco) em

Patricia trabalha com a história relatada em documentos, e as lacunas que encontra introduz a parte da ficção. Essa linha tênue entre o real e o irreal é algo pelo qual sou apaixonada, principalmente quando isso é feito com propriedade e responsabilidade. O resultado é sempre maravilhoso, porque a história ficcional torna-se tocável. Pontos para a autora também em seus personagens muito bem desenvolvidos, uma coisa que acho essencial em qualquer leitura, e na descrição dos locais e cenários que foram detalhados na medida certa. Outra coisa valiosa na obra foram os costumes da época que foram devidamente mostrados, tais como o papel da mulher, que em alguns momentos quase me fez tacar o livro para o alto, mas ao mesmo tempo ficar feliz pelo progresso que tivemos até hoje em relação a esse assunto.

A personagem Emma é um carisma à parte, por sua força e determinação. Ela tem uma humanidade que era difícil de ter naquela época, e isso me deixou ainda mais orgulhosa. Pesquisando um pouco, descobri que a rainha Emma foi uma mulher muito a frente da sua época, pois desempenhou um papel político muito forte, o que abriu portas para as próximas gerações de rainhas. Em grande parte, acredito, por seu amadurecimento precoce no primeiro casamento com o rei inglês. 

Entre intrigas dentro da corte, guerras eminentes, mentiras e amores secretos, você se desloca pra outro universo e conhece personagens incríveis. Patricia despertou em mim um interesse por uma parte da história em que eu, até então, não possuía nenhum fascínio. Acredito que os amantes de romances históricos tem a obrigação de ler A Rainha Normanda

Uma foto publicada por Blog Trocando o Disco (@trocandodisco) em

A Rainha Normanda (Emma da Normandia #1)
Título Original: Shadow on the Crown
Autora: Patricia Bracewell
Ano: 2015 / Páginas: 400
Idioma: português 
Editora: Arqueiro

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Oi Daniele e Fernanda!
    Eu sou apaixonada por essa capa, mas nunca li o livro :(
    Essa resenha me empolgou. E que fotos lindas hein?
    É uma das minhas próximas obrigações de leitura SIM!
    Beeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá Fernanda e Daniele,

    Adorei a resenha, vocês escrevem muito bem. Eu gosto muito de romances históricos e esse me chamou muito a atenção. Sem falar que a capa está linda. Com certeza, A Rainha Normanda foi para a lista de desejados.

    Beijos.

    /http://www.entrepaginasesonhos.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que linda essa foto!! Eu não conhecia esse livro, mas gostei da história. Gosto de temas quem ficam entre a realidade e a ficção e A Rainha Normanda me chamou muito a atenção. Gostei! Vai para a listinha!

    Beijo!

    http://arosadoprincipe.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita! Eu respondo por aqui mesmo ou pode deixar o link do seu blog que eu visito você :) Espero que você volte logo! Nanda ;)