[Resenha]: A Garota Inglesa - Daniel Silva

02 fevereiro 2016

Sinopse: Madeline Hart é uma estrela em ascensão no governo britânico: linda, inteligente, com uma trajetória de enorme sucesso após uma infância pobre. Mas ela também guarda um segredo obscuro – é a amante do primeiro-ministro Jonathan Lancaster. E isso é tudo que os sequestradores dela precisam saber para chantagear o premier e fazê-lo pagar caro por seus pecados, ameaçando Madeline de morte. 
Temeroso de um escândalo, Lancaster decide lidar com o caso sem envolver a polícia inglesa. É uma manobra perigosa, especialmente para o agente que conduzirá a busca pela garota. Porém, operações mortais com alto risco político não são novidade para o espião israelense Gabriel Allon. 
À medida que se aproxima o dia da execução de Madeline, Gabriel mergulha em uma angustiante empreitada para resgatá-la. Mesmo sob pressão, ele está certo de que será bem-sucedido, até que os acontecimentos se desenrolam de forma chocante, e nem mesmo o leitor estará preparado para o que Daniel Silva lhe reserva.

Se você procura por um romance, nem chegue perto desse livro. Mas, se você, assim como eu, adora uma treta internacional... Esse livro foi feito pra você!

“Ameaças de morte são como juras de amor eterno sussurradas no calor da paixão: facilmente feitas, rapidamente esquecidas.” (p. 160)

Daniel Silva é um escritor com antecedentes na área de jornalismo, trabalhou por anos na agencia de notícias United Press Internacional e na rede de TV CNN, então não me surpreende ele ter tomado esse rumo quanto sua carreira literária. Acredito que estamos muito em falta com livros nesse formato, livros que abordem questões políticas do Sistema Internacional da forma inteligente que este autor fez.

Pra quem não sabe, assim como eu não sabia, Daniel escreveu uma série de livros sobre Gabriel Allon, um espião do escritório de Israel. Então, antes de A Garota Inglesa existem os livros: O artista da morte, O assassino inglês,O confessor, Morte em Viena, Príncipe de Fogo, A mensageira, O criado secreto, As regras de Moscovo, O desertor, O caso Rembrandt, Retrato de Uma Espiã, Anjo Caído. O fato de não ler os livros anteriores não fez muita diferença, mas ainda assim recomendo começar com os primeiros até chegar neste, pois algumas situações passadas da vida de Gabriel surgem e apesar dele explicar brevemente, seria interessante conhecer toda história. É aquela coisa dos 99% não afeta a sua leitura, mas aquele 1% curiosidade, sabe? Haha

Uma foto publicada por Blog Trocando o Disco (@trocandodisco) em

Cinco coisas na forma de escrita de Daniel Silva me chamou muita atenção:
1) Ele aborda política de uma forma muito suave, qualquer pessoa desatualizada ou alheia a essas questões consegue entender perfeitamente. Isso só mostra que Daniel Silva sabe o que tá fazendo, você transformar algo relativamente difícil para o grande público e trazer isso de um jeito compreensível é algo incrível.

2) Daniel mistura nomes de pessoas reais, que já existiram (como chefes de estado), com personagens fictícios. Então, você realmente se sente lendo um jornal. É maravilhoso! Parece que tudo que está escrito realmente existiu.

3) Como? Só me diz, como alguém consegue fazer um final clichê sem ser clichê? Entendeu? Toda a história indica para só um final, você lê as últimas páginas percebendo o final e quando chega o fim da história você acerta, mas erra.

4) Gabriel Allon é uma pessoa que faz coisas ruins, em prol do bem estar de todos, mas ainda assim ruins. O que me chamou atenção foi que este personagem tem um senso de humanidade enorme, além de ser honesto inclusive com pessoas dignas de desconfiança. Eu achei uma característica única levando em consideração a posição do personagem, e o autor desenvolveu isso brilhantemente.

5) O livro é dividido em três partes: A refém, O espião e O Escândalo. Uma divisão genial que ajuda, e muito, a entender toda a história.

Eu achei Daniel Silva um Sidney Sheldon da ficção política, a escrita é muito parecida e as situações muito bem boladas. Ambos tem personagens fixos, no caso de Daniel é Gabriel Allon, no do Sheldon, personagens de mulheres primeiramente frágeis que se tornam forte e poderosa. Coincidência? Eu acho que não. haha

Com esse livro você conhece lugares, aprende história e ainda como funciona uma coisa chamada Conflito do Silêncio, quase uma Guerra Fria do século XXI. Eu sou muito suspeita porque esse livro é o que eu estudo, então foi paixão à primeira vista. Mas se você é uma pessoa que gosta de sair da mesmice, entre no mundo de Gabriel Allon porque você não vai se arrepender.

“Estamos vivendo em tempos significativos e turbulentos, e os desafios só ficarão mais sérios. As decisões que tomamos nos próximos meses e anos determinarão o sucesso ou fracasso da empreitada. Como você pode dispensar a chance de fazer história?” (p.161)

Uma foto publicada por Blog Trocando o Disco (@trocandodisco) em


A Garota Inglesa
TÍTULO ORIGINAL: THE ENGLISH GIRL
Ano: 2015
Nº de Páginas: 336
Idioma: português 
Editora: Arqueiro

Um comentário:

  1. Oi Fernanda! A Arqueiro tem mesmo uns títulos bem bacanas nesse segmento policial/suspense! Confesso que é um tipo de leitura que ainda não me dediquei o suficiente, mas gostei de saber deste trabalho do Daniel, em tom mais fluido, jornalístico... To curiosa agora! :D <3
    Beijos,
    Rebeca

    http://blogpapelpapel.blogspot.com

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita! Eu respondo por aqui mesmo ou pode deixar o link do seu blog que eu visito você :) Espero que você volte logo! Nanda ;)